E se eu não pensar mal de mim?
E se eu não achar que sou incomodo, que sou inconveniente, que sou feia, sem graça, sem jeito?
E se eu não pensar que estou fazendo tudo errado, trocado. E se eu não achar que desagrado?
Como seria minha vida se eu não me visse como um fracassado? E se errar fosse normal? Se o medo, fosse só o natural, aquele que me previne de uma dor real? E se eu pudesse arriscar? Arriscar ser quem eu sou? Arriscar falar o que penso? Expressar meus sentimentos? Me vestir como gosto, usar o que prefiro… Comer o tanto que quero! Comprar ou não o que espero que me faca bem! Falar com quem eu prezo! E se eu me permitisse mostrar as celulites? Um pouco de gordura, os cabelos desgrenhados… Naquele dia que não tem jeito mesmo… Se eu deixasse eles, os cabelos, soltos e livres… E se eu me deixasse solta e livre?
Como seria minha vida se eu realmente me amasse? Se nunca me culpasse? Quantas coisas eu faria… Quantos amores declararia, quantos pedidos eu gritaria aos quatro ventos, a todos os tempos! Quantas belezas e feiuras eu traria para onde estivesse, porque isso não me importaria mais, o belo seria pra mim tudo que se dispusesse. Pois não importaria mais… Eu só estaria. E me encantaria experimentar e descobrir o que aparecesse de mim…
E se eu NUNCA MAIS pensasse mal de mim? E se eu verdadeiramente me amasse? Quem eu seria? Que gosto quereria? Que amores beijaria? Que flores admiraria? Eu me vestiria? (…nesse calor…)
Que vida o Eu escolheria?
(por Paula Jácome)

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *