FÁCIL DE FALAR, DIFÍCIL DE FAZER.

Fácil desejar virtualmente um bom dia cheio de flores! Difícil é fazer algo pra que alguém se sinta bem de verdade, na realidade. Naquele dia!

Fácil demais dizer que ama, difícil estar do lado, na hora do drama, da dor… Fácil dizer que sente muito, difícil compensar o desamor. Assumir e compensar. Fácil agradecer, muito raro devolver, de fato, na vida, a ação que chamamos divina.

O mundo das ideias é lindo! O amor é cor de rosa, a amizade é colorida, a gratidão se tornou duas mãozinhas postas uma diante da outra. O dia inteiro nos deparamos com pensamentos maravilhosos, declarações brilhantes e posicionamentos intangíveis! Tão intangíveis que não se é possível tocar. Tão incríveis, que não se pode ver.

O negócio é que a vida real tem preço. O que se faz, tem repercussão. Tem efeito. Tira do mesmo, do conforto. No mundo ideal, dizer que ama não significa acolher, abraçar, respeitar… Um coração pulsante é o suficiente. No mundo ideal eu sou linda porque sou a favor de uma causa qualquer, eu sou inteligente porque compartilhei aquele texto genial, eu sou um grande amigo quando dou um sorriso e mando uma mensagem dizendo que você é tão importante pra mim.

Mas escutar de coração aberto a dificuldade do amado, ir na reunião e propor a mudança, deixar de comprar, separar o lixo, plantar a arvore, ir na casa do que está sofrendo, enfrentar os problemas de tentar fazer diferente, dar a cara a tapa, quase ninguém quer, quase ninguém vai.

A gente não quer se responsabilizar, a gente não quer agir, a gente não quer mudar. Mais fácil falar, do que realizar. Chega a ser engraçado. Como nos enganamos tanto. Como aceitamos receber tantas coisas que não existem… Como damos tantos sorrisos cheios de vento de uma vez pra todos.

Muito do que falamos é vazio de qualquer concretude. Difícil viver e pactuar o fio de nossos bigodes num tempo em que ninguém tem tempo pra nada. Então, talvez por querer de alguma forma ainda meio apaixonada, como num conto de fada, dedilhamos pozinhos de pirlimpimpim, com fotinhas e escritos perfeitos, torcendo pra que eles realmente se materializem. Assim, quem sabe não mudamos o mundo sem precisar nos comprometer com nossas palavras? Sem nos comprometer conosco mesmo?

Esse mundo anda virtual demais pra minha realidade…

(por Paula Jácome)

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *